• Oipé

Empatia na liderança

Atualizado: 23 de Out de 2018

Os ingredientes de uma relação empática começam com um foco total compartilhado entre duas pessoas, o que leva a uma sincronia física inconsciente que gera sensações agradáveis.
Segundo Daniel Goleman, a empatia exige um ato de autoconsciência: ler o outro implica conectar-se consigo mesmo.

Roman Krznaric, autor do livro O Poder da Empatia e um dos fundadores da The School of Life, diz que a melhor razão para desenvolver o hábito de empatizar é que ele pode criar os laços humanos que fazem a vida valer a pena.


Depois que realmente reconhecemos que somos homo empathicus, animais sociais que florescem em conexão, não no isolamento, faz pouco sentido reprimir o lado empático que possuímos. Nosso bem-estar depende de sairmos de nossos próprios egos e entrarmos na vida de outros, tanto pessoas próximas quanto os mais distantes.


Há quem tema que o fluxo frenético de distrações atual seja uma erosão da empatia e da compaixão. Quanto mais distraídas as pessoas estão, menor é a capacidade de expressá-la.


Hoje sabemos que uma das tarefas do líder é criar um ambiente que gere engajamento e bem estar. Uma equipe pouco engajada é menos produtiva e faz pouco uso de seus próprios talentos.


O líder que estiver disposto a ouvir com a intenção genuína de compreender o outro, terá maior sucesso em gerar relações de confiança e melhores resultados a partir de compromissos mútuos.


Se você está disposto a praticar mais empatia em sua vida confira algumas dicas inspiradas nas pesquisas da neurocientista alemã Tania Singer.


Evite

Encerrar o assunto: “Anime-se. Não se sinta mal”

Solidarizar-se: “Oh, coitadinho!”

Interrogar: “Quando foi que isso começou?”

Explicar-se: “Eu teria telefonado, mas...”

Corrigir: “Não foi assim que aconteceu...”

Aconselhar: “ Por que você não fez assim...”

Competir pelo sofrimento: “Isso não é nada; espere até ouvir o que aconteceu comigo...”

Educar: “Isso pode acabar sendo uma experiência muito positiva para você”

Consolar: “Não foi culpa sua, você fez o melhor que pode”

Contar uma história: “Isso me lembra uma ocasião..”


Pratique:

Prestar atenção: estar genuinamente presente

Escutar: com a intenção de compreender e não para responder

Parafraseie: repetir com as suas palavras o que o outro disse

Valide: cheque o seu entendimento sobre o que a pessoa disse

Espelhe: repita o que o outro disse

Lide com o silêncio!


Escreva para nós contando como foi!


Um forte abraço





0 visualização